Saiba mais sobre a hanseníase

Com aproximadamente 30 mil novos infectados por ano, o Brasil está em segundo lugar em números de casos. Doença tem cura e tratamento é disponibilizado gratuitamente pelo SUS


A hanseníase é uma condição que durante muitos anos foi conhecida como lepra, e seu diagnóstico fazia com que os pacientes fossem vítimas de preconceito, por ser uma doença crônica e transmissível. Ela é causada por uma bactéria chamada Mycobacterium leprae, que atinge a pele, além disso, também pode fazer com que o paciente perca a força muscular e a sensibilidade ao toque e a dor. “Existem vários tipos de hanseníase que estão relacionadas à forma como o organismo reage ao seu vírus causador. Entre elas estão: a hanseníase tuberculoide, que são manchas ou placas de até cinco lesões bem definidas; a virchowiana que é a forma mais comum, apresentando dificuldade para separar a pele normal da danificada, podendo comprometer nariz, rins e órgãos reprodutivos masculinos; a bordeline ou dimorfa, onde há erupções e placas, acima de cinco lesões com bordas indefinidas e por último temos a hanseníase indeterminada, que é o seu estágio inicial com um número de até cinco manchas de contornos mal definidos”, explica Milton Alves Monteiro Junior, enfermeiro infectologista e coordenador do serviço de controle de infecção hospitalar do HSANP.


Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil ocupa o segundo lugar mundial em número de casos de hanseníase, perdendo apenas para a Índia. Uma pesquisa feita pela OMS aponta que em 2017, enquanto nesse país houve 26.875 infectados, a Índia teve 126.164. Nos últimos dez anos, foram registrados no Brasil cerca de 30 mil casos novos anualmente. “De uma forma geral, ela tem cura, mas caso o paciente não busque tratamento a doença pode deixar sequelas pelo resto da vida como limitações físicas, fraqueza muscular e até mesmo a perda do movimento das mãos”, alerta.


Diagnóstico e tratamento


Milton explica que o diagnóstico é feito de maneira clínica por meio de exames dermatológicos, em que se analisa a pele e os nervos, além de serem feitos testes de sensibilidade e força muscular. “A transmissão ocorre quando um paciente com hanseníase em estágio contagioso e sem tratamento elimina o vírus e o dissemina para pessoas com probabilidade de adoecer. As formas de propagação são por vias respiratórias como espirro, tosse e pela utilização de objetos usados por quem está infectado ou contato muito próximo e prolongado com ele”, acrescenta.


O tratamento é disponibilizado de maneira gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e é realizado com uso de medicamentos antibióticos que têm como função matar a bactéria causadora da enfermidade. Após ser iniciado, em apenas quatro dias a pessoa deixa de ser capaz de transmiti-la para outros indivíduos. ”A utilização dos remédios costuma ser prolongada podendo durar mais de um mês e de forma alguma deve ser interrompida, pois há um grande risco de tornar a bactéria resistente aos antibióticos disponíveis no mercado”, orienta.


“Quem vive com portadores da hanseníase deve ter como estilo de vida o costume de se proteger, entre eles tomar a vacina BCG, que é a mesma aplicada no nascimento contra a tuberculose, pois seu uso fortalece o sistema imunológico e consequentemente ajuda a barrar o desenvolvimento do bacilo de Hansen, vírus que causa a hanseníase. Uma outra medida de prevenção é a melhora da qualidade de vida das pessoas, pois habitações superpovoadas, más condições de higiene e desnutrição formam a combinação ideal para a disseminação da doença”, finaliza o especialista.


Sobre o HSANP: Hospital referência na Zona Norte da Grande São Paulo e tem como missão ser assertivo com práticas humanizadas, promovendo a melhor experiência e resultados no cuidar de pessoas.

Por: Image 360 / Foto Ilustrativa: Freepik

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.